sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Projeto vida do solo socializa suas experiências com organizações internacionais vindo de países africanos e asiáticos. Este encontro também promove intercâmbio entre agricultores/as de Juazeiro.
                                                               Texto do Blog Salão Juazeiro
O primeiro intercâmbio intermunicipal do Programa Uma Terra e Duas Águas (P1+2), da Articulação do Semiárido Brasileiro (Asa), realizado pelo Irpaa, promoveu um momento único de troca de experiências entre agricultores/as de Juazeiro-BA e representantes de organizações internacionais, vindos de países africanos e asiáticos. O encontro aconteceu na comunidade de Mucambo, em Riachão do Jacuípe-BA, onde os dois grupos conheceram as práticas do agricultor Abelmanto Carneiro.

Rosana Alves, 35 anos, que mora na comunidade Marí dos Sérvulos, em Juazeiro, exalta a oportunidade de dialogar com pessoas de países que têm territórios áridos e semiáridos. “Foi um momento maravilhoso onde a gente conseguiu aderir experiências deles e eles levarem experiências nossas para implantar lá. Espero que a gente tenha outras oportunidades dessa para obter mais conhecimento e colocar em prática”, comenta a agricultora.
Além do aprendizado obtido com os estrangeiros, Rosana promete colocar em prática também o que viu no sítio de Abelmanto. “Adquiri bastante conhecimento que vou implantar lá na roça onde eu moro. Com fé em Deus quando vocês forem lá em casa vão ver tudo isso”, assegura.
Segundo a agricultora, o que mais chamou sua atenção foi o sistema de irrigação (gotejamento por gravidade), o desenvolvimento de bombas e as diversas formas de captação, armazenamento e uso eficaz da água de chuva.


terça-feira, 5 de agosto de 2014

O SITIO DO PROJETO VIDA DO SOLO

         O sitio do Projeto vida do solo esta localizado a 17 km da sede do município fica na comunidade de Mucambo Município de Riachão do Jacuípe-Ba desde 1998 venho desenvolvendo essas tecnologias de convivência com o semiárido desde este período venho desenvolvendo algumas como cisterna calçadão, cisterna de consumo, Barragem Subterrânea, Barraginhas Sucessivas, Barreiro Trincheira, Barreiros comuns esses são de captação de agua,
Outras como cerca elétrica, Palma adensada plantado em curva de nível, Capríl e estoque de alimento para caprinos e ovinos outras implementações como Biodigestor (produção de Biogás) Estufa com viveiro de mudas de plantas, Irrigação alternativa criado uma bomba Malhação, Giratória e um kit de irrigação feito um micro aspersor feito de tubos de canetas haste de pirulito, Bebedouro inteligente para caprinos e ovinos quantos pra aves,
Com essas experiências aplicada vivo hoje tranquilo e seguro vejo-me hoje com uma capacidade extraordinária as vezes não vejo minha propriedade modelo as pessoas é quem diz que é modelo.
Observo então uma grande necessidade de se fazer uma agricultura diferente segura e sustentável assim passei acreditar que é possível dividir com outros agricultores aquilo que esta dando certo e passei a ser um experimentador agora mesmo estou desenvolvendo outras duas tecnologias uma aproveitar melhor os raios solar que é um condutor para aquecer agua (aquecedor solar) o outro aproveitar as aguas de descartes chamado de agua cinza .

Vejo de fato na minha propriedade um grande potencial.
Uso materiais encontrado na própria propriedade como garrafa pet canetas pirulito garrafa de agua mineral entre outros
Me chamo Abelmanto Carneiro de Oliveira conhecido por Abel um apaixonado pela a NATUREZA tenho quarenta e dois anos e sou um agricultor isso com  
muito orgulho.  

segunda-feira, 21 de julho de 2014

AGROECOLOGIA E SUSTENTABILIDADE




O termo agroecologia é formado da junção de duas palavras: “Agro” que vem de agricultura, manejado pelo ser humano e “ecologia” que, conforme Ana Primavesi, deriva da palavra grega “oikos” que significa lugar. Trabalha interligado com os sistemas naturais de um dado lugar; incluindo solo, sua vida, estrutura, água, minerais, declividade e até a atividade humana. Ecológicos são os ciclos e equilíbrios naturais de um lugar, em que o ser humano pode estar incluído. Quando se pensa em agroecologia, logo vem à mente uma agricultura sem uso de agroquímicos, mas ela é mais ampla, possui uma abordagem social, cultural, econômica e ecológica, e desta maneira, estuda as inter-relações existentes entre todos estes fatores.
A agroecologia leva em conta tanto o sistema agroecológico como o social, no qual trabalham os agricultores, não se baseia somente nas pesquisas realizadas em centros experimentais e laboratórios, mas prioriza os experimentos nas propriedades, valorizando o saber impírico e a participação dos agricultores no processo de pesquisa. Portanto, podemos afirmar que a agroecologia deve ser construída em conjunto e para que isto se torne possível, faz-se necessário que todos os setores envolvidos tenham vontade política para colocar esta ciência em prática.
A política agrícola moderna evoluiu muito, mas ainda está restrita às técnicas descritas em teorias, sem levar em conta a verdadeira aptidão das diferentes regiões. Alicerçadas e construídas a partir de modelos importados e práticas inadequadas, tais políticas cooperam para o processo de degradação ambiental, cultural, econômico e social.
A agroecologia, vem ganhando espaço como alternativa em direção ao desenvolvimento rural menos predatorio, buscando um uso mais sustentável das terras e do meio ambiente. Neste sentido podemos citar tres aspectos que são impresindíveis na agroecologia:                                                                                                                                          1.  Consome menos energia pois aproveita os recursos existentes dentro da propriedade, diminuindo a dependência dos insumos externos, como adubos químicos, agrotóxicos.                  
    2 Paisagem torna-se mais atrativa, isto é, a diversidade de produção tem como consequência a sustentabilidade do sistema agrícola, incentivando assim a preservação do ambiente de produção.
3.    E o resultado de tudo isso é a geração de renda, fazendo com que as famílias permaneçam no campo, produzindo a consumindo alimentos saudáveis

quarta-feira, 18 de junho de 2014

OS BENEFÍCIOS DA CAJÁ PARA NOSSA SAUDE

A Cajá é uma pequena fruta porém com um sabor incomparável. 
A Cajá é bem Comum na região nordeste do brasil, a cajá apresenta vários benefícios para nossa saúde, dentre elas a cajá ajuda a prevenir osteoporose, constipação, e fadiga, aumenta as defesas do organismo,aumentando o poder de imunidade além de ser uma fruta exótica e nutritiva. Ela contém altos níveis de cálcio, magnésio, potássio, ferro e é rica em vitaminas B e C, mas o que é mais impressionante é o conteúdo de carotenóides.

A Cajá é muito saborosa e ainda há grandioso benefícios para a saúde do nosso corpo. Cajá é rico
em cálcio que suporta a estrutura óssea e dos dentes. também contém beta-caroteno, que é um micronutriente anti- envelhecimento e pode desempenhar um papel significativo na redução dos
efeitos de certas doenças, como a doença cardíaca, a diminuição da função imune, cataratas, e as formas de cancro. A Cajá também tem propriedades que ajudam cardiotônicos fortalecer o coração.
Para receber todos os benefícios desta super fruta, você só precisa
beber 2 copo de suco por dia. Esta mistura é usado como um suplemento dietético para melhorar sua dieta e pode ser comprado diretamente na feira, ou em seu quintal.
A cajá também e rico em antioxidantes com seus altos níveis podem ajudam e apoiar a saúde do coração e do sistema imunológico e ajudar a retardar o envelhecimento prematuro.

Outros Benefícios:

Apoio Cardiovascular
Melhora no sistema imunológico
Melhora da saúde dos Pulmão
e dos Olhos.

terça-feira, 3 de junho de 2014

UMA AGRICULTURA INOVADA TORNANDO-A MAIS SUSTENTÁVEL EM PEQUENOS ESPAÇOS AGRICOLA



A agricultura é uma das áreas mais importantes para a sociedade. No caso da agricultura sustentável, existem dois objetos centrais: ter um grande lucro, e usar de tecnologias de produção e extração que não causem danos à natureza. Na realidade, esses dois motivos estão diretamente interligados, pois se a terra do próprio agricultor é renovável (ambientalmente correta), consequentemente há uma maior independência de compras externas (de terras, de adubos, de máquinas, etc.). Podem existir tecnologias e novidades da agricultura sustentável que sejam caras no primeiro momento, mas, com certeza, que rendem muito em longo prazo. Entre as novidades da sustentabilidade aplicadas na agricultura destacam-se: a técnica conhecida como adubação verde, que tem como vantagens maior duração de matéria orgânica na terra, isso ocorre devido à mistura dos nutrientes e componentes que também repõem os sais minerais no solo desgastado. Outro exemplo de cultura sustentável são as propriedades que fazem sistema integrados fazendo o reaproveitamento do descarte da produção para utilização  na própria propriedade tornando independente do insumo e mais sustentável. Outro ponto interessante é que existem muitas tecnologias simples para se repelir as pragas das plantações, como o uso de produtos naturais para a expulsão de lesmas e caramujos nas hortas, por exemplo. Obviamente que esses métodos só funcionam em pequenas culturas (as culturas familiares). Isso ajuda extremamente na redução ou extinção do uso de agrotóxicos usados na plantação. 
            O desenvolvimento tecnológico e a aplicação da agricultura sustentável caminham juntos, pois na medida em que se aplicam os conceitos da sustentabilidade na agricultura, descobrem-se inovações e técnicas, mais limpas (ecologicamente) e mais baratas ao ponto de vista para o próprio          
agricultor. Para a geração de energia no sitio ou fazenda, os projetos e tecnologias que usam gases liberados dos resíduos para produzir energia é uma ótima novidade um exemplo disso os dejetos produzidos pelos ruminantes. Com a participação da sociedade, como por exemplo, com a escolha por frutas orgânicas produção com base na agroecologia ao invés das transgênicas, toda a agricultura começaria a tomar a direção da sustentabilidade. Então, além da utilização das técnicas e novidades da agricultura sustentável, é necessária a divulgação da sua importância na própria sociedade em geral.

quinta-feira, 29 de maio de 2014

CONSTRUÇÃO DE TECNOLOGIAS SUSTENTÁVEL DA AUTONOMIA A PEQUENAS PROPRIEDADES

Há três anos, o Projeto de Educação Ambiental Vida, construiu 10 (dez) barraginhas sucessivas para armazenar a água da chuva no sitio demonstrativo o sítio é uma propriedade de 10 hectares que fica na comunidade de Mucambo em Riachão do Jacuípe, município a pouco mais de 180 quilômetros de Salvador. Com essas tecnologias, a água captada da chuva é infiltrada no solo, eleva o lençol freático e viabiliza a prática da agricultura mesmo em períodos de seca prolongada.
“A última vez que tivemos chuva intensa por aqui capaz de reabastecer os reservatório foi há dois anos, em outubro de 2010. Mesmo assim, quem chega a esta área fica encantado, porque o efeito que a gente percebe, a olho nu, é que foi criado um verdadeiro microclima. A umidade relativa do ar aumenta e a vegetação se manifesta. Mesmo com a seca que atinge a região, consegue-se produzir feijão, milho, mandioca e hortaliças. Além disso, aproveita as margens das barragens para plantar capim para alimentação animal. O agricultor para construir uma barraginha dessa gasta apenas R$ 95 com capacidade de armazenar 40 mil litros de água cada uma delas na superfície. “É uma técnica simples e barata que qualquer agricultor pode fazer”, nesta propriedade destaca varias tecnoligias
 que também vem sendo observada como uma cisterna que acumula água da chuva para uso doméstico e uma cisterna-calçadão para produzir alimentos e matar a sede de animais, uma barragem subterrânea além de vários barreiros comuns hoje calcula-se que a água armazenada seja suficiente para o consumo da família e manter essa propriedade com alta suficiência.
“Com essas tecnologias, consegue armazenar até 3,2 milhões de litros de água em uma propriedade de apenas 10,46 hectares. A maioria das pessoas da região dependeram de carros-pipas por causa dessa longa estiagem, mas ainda essa propriedade teve água para beber por oito meses e para usos domésticos, como lavar roupa e tomar banho, por cinco meses.

quarta-feira, 7 de maio de 2014

UMA TÉCNICA USADA NA AGRICULTURA HOJE SENDO INOVADA É O SISTEMA PLANTIO DIRETO



O Sistema Plantio Direto (SPD) é um dos mais eficientes e sustentáveis sistemas de produção agropecuária em adoção na atualidade. É implantado a partir de três princípios: não arar ou gradear o solo antes do plantio, mantê-lo coberto com restos vegetais ou plantas vivas durante o ano e promover a rotação das culturas plantadas. Entre outros benefícios, minimiza a perda de solo pela erosão, possibilita a conservação e a melhoria dos atributos físicos, químicos e biológicos do solo, aumentando a sua matéria orgânica, reduz a necessidade de mecanização e o gasto de energia e favorece a redução de custos de produção. Permite ainda a produção de água limpa, uma vez que o solo protegido favorece a infiltração e a recomposição do lençol freático, um importante serviço ambiental.   O Brasil é líder em produção agrícola com esse sistema, graças ao empenho, ao empreendedorismo e à capacidade de inovação do agricultor brasileiro, que, com apoio da pesquisa e assistência técnica, promoveu uma expansão da adoção do sistema em todos os biomas. Por exemplo, esse sistema já é adotado em mais de 50% das lavouras de grãos no Brasil. E o objetivo é ampliar seu uso, que traz impactos positivos para produtores rurais de todo o País, em termos de aumento na produtividade, com ganhos ambientais, sociais e econômicos. A Fixação Biológica de Nitrogênio (FBN) é um dos processos naturais mais importantes do planeta, ao lado da fotossíntese.
 É realizada por bactérias presentes no solo, ou adicionadas via inoculantes, que se associam às plantas, geralmente às raízes, captam e transformam o nitrogênio do ar. Possibilita a troca de nutrientes e diminui a necessidade de adubação química nitrogenada. Essa tecnologia, que envolve o uso de bactérias fixadoras de nitrogênio, gera maior rendimento na produção, ajuda a recuperar áreas degradadas, melhora a fertilidade do solo e a qualidade da matéria orgânica, reduz o uso de insumos industriais na agricultura e contribui para reduzir a emissão de gases de efeito estufa (GEE). Hoje, 100% das plantações de soja no Brasil se beneficiam da FBN. Fixação Biológica de Nitrogênio. E, com mais pesquisa e maior adoção pelo setor produtivo, até 2020 é possível reduzir a fertilização química nitrogenada em 80% a 100% no feijoeiro, em até 100% para diversas leguminosas de grãos e forrageiras, até 50% na cana-de-açúcar, até 40% no milho e trigo e até 20% no arroz.

PARA UM SITEMA DE PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL ÁGUA E SOLOS SÃO FATORES FUNDAMENTAL PARA O SUCESSO.



A agricultura brasileira avançou de forma segura na direção da sustentabilidade ao longo das últimas décadas. O Brasil é o 4º maior produtor em Agricultura Orgânica, que vem crescendo 20% ao ano. Prioriza o uso de recursos naturais renováveis disponíveis localmente e faz uso de tecnologias que visem à conservação ambiental e da biodiversidade. Com a Produção Integrada (PI-Brasil), todas as etapas produtivas são acompanhadas para assegurar o processo sustentável. Da colheita até o comércio, os produtos são rastreados, de forma a preservar seus nutrientes, qualidade e segurança para a saúde. O resultado disso é a certificação PI-Brasil. Já na Produção Aquícola, ou Aquicultura, trabalha-se a criação racional e controlada de organismos aquáticos, como peixes, tartarugas, camarões, mexilhões e outros, de forma a não comprometer a biodiversidade e os recursos naturais. Para a FAO, a aquicultura é o único tipo de produção de alimentos que cresce mais que a população mundial. Hoje, já abastece 50% do mercado de pescado no mundo.
décadas. Entre as alternativas de Sistemas de Produção Sustentável destacam-se a Agricultura Orgânica, Produção Integrada Agropecuária, Aquicultura, Produção Agroflorestal e a Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (iLPF), além de várias outras.
Danos causados ao meio ambiente são consequências de desmatamento, queimadas, redução da biodiversidade, emissão de gases de efeito estufa, mudanças climáticas, uso indiscriminado de agroquímicos, degradação do solo e diminuição da disponibilidade e poluição da água. Para mudar esse cenário, alternativas sustentáveis buscam melhorar a forma de manejar o solo e a água. Com essa preocupação, soluções são estudadas e implantadas pela pesquisa e pelo setor produtivo, com o objetivo de inovar, melhorar, modernizar e trabalhar o campo de forma a garantir a manutenção e utilização dos recursos naturais indefinidamente. As soluções tecnológicas amenizam os impactos negativos das atividades agropecuárias. São práticas que mantém os atributos físicos, químicos e biológicos do solo e possibilitam a manutenção da água limpa e abundante. Permitem ainda que sejam desenvolvidas atividades agropecuárias mais produtivas, sem necessidade de expansão para novas áreas ou de degradação dos recursos naturais.